• alt text

Aline Zilli

Aline Zilli é atriz e produtora do Grupo Ueba Produtos Notáveis.

É formada em Comunicação Social – Publicidade e propaganda pela UCS com extensão em Administração Pública da Cultura pela UFRGS.

Perita avaliadora de projetos culturais do Ministério da Cultura via Funarte.

Articuladora da Rede Brasileira de Teatro de Rua. É gestora do FESTEAR – Festival de Teatro de Rua de Caxias do Sul.

 

 

 

A Mãe e o Monstro na Amazônia

Por Aline Zilli

Quando criamos uma obra artística queremos que ela ultrapasse as fronteiras e ganhe o mundo. E quando isso realmente acontece algo na gente muda e transborda. Foi assim a experiência de levar o espetáculo A Mãe e o Monstro do sul do Brasil para o coração da Amazônia, mais precisamente em Tefé, no Estado do Amazonas. O convite de participar do Congresso “Mulher, Justiça Social e participação popular”, organizado pela Dr. Rita de Cássia, foi um momento ímpar para o Grupo Ueba, afinal não é sempre que temos a oportunidade de atravessar mais de 4.500 km em direção ao desconhecido e fazer a diferença com nosso trabalho.

O acesso a cidade de Tefé é realizado somente por barco, que dá dois dias de viagem da capital de Manaus, ou avião. Nosso transporte foi via área, e lá de cima começou o encantamento e se arrepiar ao ver o colorido encontro do Rio Solimões com o Rio Amazonas. Após a aterrisagem, outra boa surpresa foi o simplicidade e simpatia do povo de Tefé. Também foi hora de constatarmos que estávamos isolados das comunicações via celular e internet. Fomos inundados pela diversidade de costumes, cores e sabores da Amazônia.

Visitamos o Mercado Público que exibe ao ar livre, e sem refrigeração, carnes de gado ou peixe, além de iguarias que nem saberíamos o nome ou sua utilidade, mas que por lá são bem populares. Enfim, foi possível entender um pouco do funcionamento daquela comunidade. E da desigualdade social e de gênero que lá existem. Era hora de preparar o espetáculo, ajustar cenário conseguido pela produção local, e se preparar para apresentar no calor de 40 graus junto com uma umidade sufocante.

A atriz Aline Zilli vestiu-se de Dona Coisinha, personagem do espetáculo que passa por diferentes preconceitos e abusos, tanto físicos, sexuais quanto psicológicos. Na plateia mais de 300 mulheres, em sua maioria ribeirinhas que vivem do extrativismo florestal, reunidas em uma área de convivência no meio da Universidade do Estado do Amazonas. Inicia o espetáculo nas três badaladas de Moliére. Para a maioria da plateia era a primeira vez que assistia a um espetáculo de teatro, para a atriz era um desafio continuar sem desmaiar em função do calor no local. A troca aconteceu. Plateia e artista em sintonia fina, jogo de cumplicidade e confissão.

Todas viviam as mesmas mazelas, às vezes com lágrimas escorrendo ou uma gargalhada que soava como um desabafo. Foi sem dúvida um momento único naquelas vidas. Sabiamos que as mulheres extrativistas passam o dia coletando sementes e insumos para vender como matéria prima para grandes indústrias de cosméticos arrecadarem milhões e para elas pagam trocados. Além dessa exploração financeira, outro problema grave é de saúde. Problemas na coluna, na bexiga, na pele, dentro outros. E o que nos mais comoveu, é que as meninas, mulheres e idosas, mesmo tendo essa jornada pesada no extrativismo, ao chegar em casa iniciam uma terceira jornada de trabalho, limpam, cozinham, cuidam dos filhos e muitas vezes são obrigadas a servir seus companheiros na cama, mesmo quando não há consentimento.

Voltamos ao final do espetáculo. Nos agradecimentos, uma mulher levanta com lágrimas nos olhos, pega o microfone, abraça a atriz e diz para todas que ela poderia ser a Dona Coisinha, pois fora violentada na sua infância. Após esse relato, mais e mais mulheres começaram a se levantar e relatar experiências de vida como da personagem. Uma das mulheres até pediu ajuda das colegas de sua comunidade pois que seu marido estava ameaçando espanca-la quando chegasse em casa, justamente por estar ali naquele encontro reivindicando melhoria em sua condição de vida. Silenciosamente ficamos ali ouvindo, e até mesmo sofrendo, junto com os depoimentos cruéis, bárbaros e emotivos que foram desencadeados pelo espetáculo.

Foi um momento importante pois muitas mulheres puderam finalmente desabafar e pedir ajuda , quebrando o silencio, e o tabu, sobre assuntos tão importantes. O retorno pra casa dessa viagem foi muito diferente das demais. Aquele momento catártico ficou gravado na alma. Esta apresentação certamente foi um divisor de águas, ou talvez um encontro, como o encontro dos rios. Não é possível descrever as sensações tão diferentes que tomaram conta da atriz e do diretor do trabalho. O que marcou foi a experiência da diversidade, da cumplicidade e certeza de que a arte é, se não o fim, o caminho para um mundo mais humano e digno.

A arte transforma o mundo ao seu redor!

 

 

 

  • BREVES

    Post
    As aventuras do Fusca a Vela no Sertão Nordestino 14 de novembro de 2016O grupo fará uma turnê no Nordeste com o espetáculo As aventuras do fusca a vela
    As aventuras do Fusca a Vela no maior Festival de Teatro de Rua do País 14 de junho de 2016AS Aventuras do Fusca a Vela estará participando de um dos maiores festivais de teatro de Rua do Brasil - o Festival de Teatro de rua de Porto Alegre, nos dias 23, 24 e 25 de junho
    Post
    Zão e Zoraida na Itália 6 de maio de 2015A dupla de palhaços da Ueba levaram sua alegria para as terras Européias, ainda trocando experiência com o conceituado Teatro Ridotto de Bologna - milia Romana - Itália
    Post
    As aventuras do Fusca a Vela 14 de junho de 2015Estreia o mais novo e ousado espetaculo de rua do grupo Ueba - As aventuras do Fusca a Vela - baseado em Moby Dick, o espetáculo traz a cena urbana as histórias de um dono de um ferro velho que diz ser sobrevivente do Pequod, o baleeiro que tentou caçar a lendária Moby Dick. Tudo acontece junto a um fusca, que pode se transformar em barco, baleia e tudo o que a imaginação permite.
    Post
    Radicci e Genoveva nas Quintas de humor do Sesc 6 de novembro de 2014O SESC Porto Alegre realiza em novembro o projeto Quintas de Humor, toda a quinta-feira tem uma atividade humorística. O espetáculo Radicci e Genoveva fez a abertura desta edição e teve a casa cheia. Na sequência ocorrem apresentações do Guri de Uruguaiana, Homens de Perto e Paulinho Mixaria.
    Post
    Teatro e livro nas escolas 10 de dezembro de 2014 O Grupo Ueba foi pioneiro em levar às escolas de Caxias do Sul a literatura aliada ao teatro com os títulos A Mordaça e o infantil O Incrível Caso do Sumiço das Letras. A Mordaça, de foi lançada em 2013 e já teve mais de 2 mil livros adquiridos. O infantil, escrito por Jonas Piccoli, já atingiu a marca de mil pequenos leitores em menos de 6 meses.
  • CONTATO

    Grupo Ueba Produtos Notáveis - Rua Luiz Covolan, 2820 - Bairro Santa Catarina - Caxias do Sul - RS

    Fones: (54) 3028 81 92 - 3028 81 94 - ueba@grupoueba.com.br

    Veja como chegar no Moinho da Cascata - Grupo Ueba no Goolge Maps